pensador.info www.emagrecerdevez.com

sábado, 4 de julho de 2015

Dr. Djalma Nunes


Dr. Djalma José Nunes, filho do Cel. José Alves Nunes e de D. Maria Madeira Coelho Nunes, nasceu em Amarante (PI) em 21 de setembro de 1901 e faleceu em Floriano (PI) em 16 de agosto de 1964.
Passou sua  infância  em  Amarante  no  início  do  século XX em contato com a natureza exuberante da cidade, rodeada  de belas serras bem como dos três rios que a cercam, que de acordo com o poeta Da Costa e Silva “lembra uma ilha , alegre e linda. A cidade sorrindo aos ósculos  das águas”.
Djalma José Nunes perdeu seu  pai  ainda criança, porém sua genitora, mulher de fibra e determinada, mesmo ficando viúva com dez filhos pequenos gerenciou com competência o imenso patrimônio deixado pelo marido, bem como prosseguiu com desvelo a criação e educação dos filhos. Djalma, fez seus estudos primários em Amarante e os dezesseis anos encontrava-se em São Luís estudando no Colégio Maranhense fazendo os Preparatórios  para o ingresso no curso superior. Ficou nesta cidade até o início da década de 1920 seguindo  para  Salvador na Bahia, onde ingressou na tradicional Faculdade de Medicina da Bahia  no ano de 1922.
Salvador era então um centro cultural importante, os jovens de estados nordestinos que queriam estudar dirigiam-se a esta cidade onde conviviam com o que de mais moderno existia no Brasil no que se refere a educação, cultura, literatura e conhecimentos diversos. Salvador era a cidade que difundia o conhecimento para todo o Nordeste brasileiro, formando jovens de outros estados para que depois voltassem a sua terra natal para exercer sua atividade profissional.
Em 1927, o Dr. Djalma José Nunes concluiu seu curso de Medicina, tendo na ocasião defendido publicamente sua Tese de Doutoramento com o tema “As contra-indicações do Bismutho no tratamento da Síphilis”,  sendo a referida Tese aprovada com distinção.
Chegou então a hora de retornar ao Piauí. Dr. Djalma Nunes não retornou para sua terra natal, Amarante, pois sua mãe já se encontrava residindo em Floriano, de onde era mais fácil o acesso as suas fazendas.  Floriano então recebeu seu novo médico, jovem, humanitário,  acessível, amigo e competente profissional.
Com o passar dos anos, Dr. Djalma  torna-se uma pessoa muito querida na cidade pela sua dedicação profissional, atendendo de forma competente as famílias mais importantes  bem como as pessoas mais humildes, das quais ele nunca cobrou uma consulta. Tornou-se o médico da colônia Síria onde era tratado como um Lorde, sendo que em seu aniversário os Sírios sob o comando do Sr. Moisés Kynaer  faziam uma grande festa onde simplesmente os convidados era toda a população da cidade. Segundo informações passadas a mim, por pessoas que viveram na época, as duas grandes festas de Floriano entre as décadas de 1930 e 1940 eram a festa dos Comerciários e o aniversário do Dr. Djalma Nunes.
Em 1936, depois de dois noivados que não deram certos, o Dr. Djalma encanta-se por uma bela jovem vinda de São Raimundo Nonato de nome Solimar  Guerra de Carvalho. Casam-se e ela passa a chamar-se Solimar de Carvalho Nunes de cujo consórcio nascem seis filhos: Djalma José Nunes Filho, professor da UFPI em Floriano, Zalina Nunes Pereira residente em Floriano, Maria de Fátima Nunes Melo residente em Salvador, Zulma Nunes Ribeiro Gonçalves residente em Teresina, Cíntia de Carvalho Nunes residente em Salvador e Marcelo de Carvalho Nunes residente em Floriano.
Dr. Djalma além de médico, também contribuiu para o desenvolvimento educacional de Floriano como professor do Liceu Florianense, no início da década de 1930, primeira escola de nível ginasial da cidade, Escola Normal de Floriano e Ginásio Santa Teresinha de onde era médico e professor. Sua trajetória profissional levou-o a dirigir o antigo Hospital São Francisco de Paula, o primeiro hospital da cidade fundado em 1905 pelo Juiz de Direito Everton de Carvalho, diretor do Centro de Saúde, médico do Hospital Miguel Couto, médico da Associação de Proteção da Infância D. Darcy Vargas.
Em 1945, com o fim do Estado Novo, Dr. Djalma é nomeado prefeito de Floriano onde permanece até o ano de 1947. Durante sua permanência como prefeito procura administrar os parcos recursos da Prefeitura, principalmente no melhoramento da cidade no que se refere ao calçamento das ruas no centro para melhor acesso das pessoas pelo comércio,  reforma no  pátio interno do Mercado Público Municipal bem como atendimento médico  eficiente no posto de saúde municipal e hospital.
Dr. Djalma José Nunes faleceu nesta cidade em 16 de agosto de 1964, deixando sua contribuição para o crescimento e desenvolvimento de Floriano, principalmente, exercendo sua profissão de médico com dignidade, humanidade e competência, mas também como professor, como prefeito municipal e incentivador do futebol com a criação do time do Comércio Esporte Clube (década de 1930), fundador do Floriano Clube (primeiro clube social da cidade em 1940) onde foi o primeiro vice-presidente da primeira diretoria, sócio fundador do atual Comércio Esporte Clube.

Honrarias recebidas: Medalha do Mérito Renascença do Piauí no grau de Oficial, Medalha do Mérito Agrônomo Francisco Parentes, Patrono da cadeira número 40 da Academia de Letras e Belas Artes do Médio Parnaíba (ALBEARTES).

Com a colaboração: Professor Ms. Djalma José Nunes Filho

Caros internautas

Caros internautas
"A literatura, como toda a arte, é uma confissão de que a vida não basta" Fernando Pessoa

Importante

Importante
Caso alguém seja autor de algum texto ou imagem contida neste blog, e não tenha sido creditada a sua autoria por meu desconhecimento, agradeço que me contatem imediatamente a fim de serem dados os devidos créditos.

Extrato de amora

De todas as postagens feitas aqui, o extrato de amora é a que é mais vista e mais comentada. Realmente há muitos depoimentos favoráveis ao extrato de amora, portanto, sinta-se a vontade para conhecer um pouco sobre os seus benefícios.
Quantos agoras perdemos esquecendo que o risco pode ser a salvação de muitas alegrias de nossas vidas... O medo que nos impede de sermos ousados agora, também está nos impedindo de vermos a linda pessoa que podemos ser. (Clarice Lispector)