pensador.info www.emagrecerdevez.com

sábado, 11 de maio de 2013

Homenagem às Mães

"Em geral, as mães, mais que amar os filhos, amam-se nos filhos" (Friedrich Nietzsche)
 
As mães morrem quando querem

Eu tinha sete anos quando matei minha mãe pela primeira vez. Eu não a queria junto a mim quando chegasse a escola no primeiro dia de aula. Eu me achava forte o suficiente para enfrentar os desafios que a nova vida iria me trazer. Poucas semanas depois descobri aliviado que ela ainda estava lá, pronta para me defender não somente daqueles garotos brutamontes que me ameaçavam, como das dificuldades intransponíveis da tabuada.
Quando fiz quatorze anos eu a matei novamente. Não a queria impondo regras ou limites, nem que me impedisse de viver a plenitude dos voos juvenis. Mas logo no primeiro porre eu felizmente a redescobri viva. Foi quando ela não só me curou da ressaca, como impediu que eu levasse uma vergonhosa surra do meu pai.
Aos dezoito anos achei que mataria minha mãe definitivamente. Entrara na faculdade, iria morar em república, faria política estudantil, atividades em que a presença materna não caberia em nenhuma hipótese. Lego engano, quando me descobri confuso sobre qual rumo seguir, voltei à casa materna, único espaço possível de guarida e compreensão.
Aos vinte e três anos me dei conta de que a morte materna era possível, porém requereria muita lentidão... Foi quando me casei, finquei bandeira de independência e segui viagem.
Bastou-me nascer a primeira filha para descobri que o bicho mãe se transformara num espécime ainda mais vigoroso chamado avó. Apesar de tudo, continuei acreditando na tese de que a morte seria bem demorada, e aos poucos fui me sentindo mais distante e autônomo, mesmo que a intervalos regulares, ela reaparecesse em minha vida desempenhando papéis importantes e únicos. Papéis que só ela poderia protagonizar.
Mas o final desta história, ao contrário do que eu sempre imaginei, foi ela quem definiu, quando menos esperava, ela decidiu morrer. Assim, sem mais, nem menos, sem pedir licença ou permissão, sem data marcada ou ocasião para despedida, minha tese da morte bem demorada ruiu.
Ela simplesmente se foi, deixando a lição que mães não são para sempre. Ao contrário do que sempre imaginei, são elas quem decidem o quanto esta eternidade pode durar em vida, e o quanto fica relegado para o etéreo terreno da saudade".
Esta mensagem é de um autor desconhecido, pus-me a pensar, não sabemos se a vida é curta ou longa demais, com isto, por que não amamos as pessoas que estão em nossa volta, principalmente aquela que chamamos de mãe?
Nem sei se este seria o nome melhor para definir este tipo de ser, acho que mãe é um ser sobrenatural, isto mesmo, de um outro planeta. Nunca sabemos quando ela vai querer partir, o vazio que fica nada pode preencher. Até uma mãe ignorante é capaz de ensinar coisas que nem Freud explicaria. Um dia podemos descobrir que a pessoa que mais nos amou foi nossa mãe e que realmente era ela o baú das nossas verdadeiras lembranças.
Alexandre Pelegi
(Autor desconhecido)


Caros internautas

Caros internautas
"A literatura, como toda a arte, é uma confissão de que a vida não basta" Fernando Pessoa

Importante

Importante
Caso alguém seja autor de algum texto ou imagem contida neste blog, e não tenha sido creditada a sua autoria por meu desconhecimento, agradeço que me contatem imediatamente a fim de serem dados os devidos créditos.

Extrato de amora

De todas as postagens feitas aqui, o extrato de amora é a que é mais vista e mais comentada. Realmente há muitos depoimentos favoráveis ao extrato de amora, portanto, sinta-se a vontade para conhecer um pouco sobre os seus benefícios.
Quantos agoras perdemos esquecendo que o risco pode ser a salvação de muitas alegrias de nossas vidas... O medo que nos impede de sermos ousados agora, também está nos impedindo de vermos a linda pessoa que podemos ser. (Clarice Lispector)